Trajes Típicos

Como já foi dito, o nosso Rancho Maria da Fonte representa o folclore minhoto. Este, por sua vez, é mais notório porquanto o mais garrido na região de Viana do Castelo quiçá de todo o Portugal. É precisamente esta região que o Maria da Fonte representa.

Embora semelhante entre si, os trajes, no entanto, de freguesia para freguesia apresentam peculiaridades quer na cor ou detalhes, também conforme as situações a que se destinam, assim variam as roupas, especialmente das raparigas.

E o nosso guarda-roupa, sem qualquer modéstia, representa todos esses lugares e situações. Mercê de destacadas figuras que ao longo destes anos conosco tem colaborado na aquisição de tais preciosidades, pode a Casa do Minho ter o Orgulho de possuir um elevado patrimônio em roupas típicas, genuínas, confeccionadas pelas maiores artífices de Viana do Castelo.

E a única maneira condigna de comemorar esta data para nos tão significativa, os vinte anos do RANCHO FLOCLÓRICO MARIA DA FONTE DA CASA DO MINHO, é promover mais um festival do traje. Desta vez mais rico, deslumbrante, completo.

“O Rancho Folclórico Maria da Fonte tem o maior e mais autentico vestuário do folclore minhoto do Brasil e dito por muitos que nem em Portugal tem rancho folclórico que tenha tamanho vestuário como o Maria da Fonte, todos confeccionados em Viana do Castelo/Portugal para o Rancho Maria da Fonte”.


Traje Vermelho

Graças as suas cores muito vivas e bonitas, de longa data ficou sendo o traje oficial que representa Portugal onde quer que ele seja apresentado Folcloricamente.

Moças, senhoras ou crianças vestem este traje com grande orgulho e satisfação.

Além dos tradicionais e coloridos lenços que apresenta na cabeça e nos ombros, compõem este traje também uma vistosa saia confeccionada em lã, totalmente bordada à mão também em fios de lã colorida, com diversos desenhos que dão a graça e beleza na autenticidade desta roupa.

Na cintura os conhecidos arranjos que servem para guardar objetos pessoais, ou seja as populares “algibeiras”.

Os tradicionais aventais também bordados em lã obedecendo em cores e desenhos aos mesmos critérios das saias.

As meias totalmente brancas, são confeccionadas a mão em tricô de cinco agulhas. Os chinelos são de verniz também bordados a mão com linhas de diversas cores dando um colorido peculiar.

A blusa é de linho com bordados nos punhos e nos ombros.

Muito usado em varias freguesias entre elas Areosa, nome com que se tornou popular em todo Portugal este traje.


Traje Azul











Esta roupa obedece a todos os detalhes explanados na descrição dos trajes vermelhos,ou seja: os lenços da cabeça e dos ombros, a saia, o avental e a algibeira. Apenas diferem do anterior na cor predominante, enquanto no outro era o vermelho quem comandava as cores neste é o azul a cor de mais destaque. As blusas meias e chinelos são quase sempre iguais.

Este traje é muito usado em Santa Marta de Portuzelo e na própria cidade de Viana do Castelo nas grandes Romarias.


Traje Verde











Difere dos demais na cor predominante que neste é a cor verde.

Os demais detalhes são iguais aos trajes anteriores.

São muito usados nas freguesias de Gerez do Lima, Dem, Vila Praia de Ancora, São Lourenço da Montaria, Perre e Outeiro.


Traje Escuro ou Dó









É usado em sinal de luto quando morre uma pessoa da família ou quando um parente parte para o estrangeiro. Nos casos de falecimento de Pai ou Mãe, a obediência deve ser respeitada durante dois anos, e, sendo irmão, apenas 1 ano.

Quando o traje é usado para simbolizar dor pela separação, motivada por ausência temporária ou mesmo definitiva de um parente, a moça fica trajando-o até que receba comunicação de que o parente chegou a seu destino e que tudo está bem.

Na verdade, a diferença marcante dos demais trajes, deve-se a tonalidade que no caso presente e como não poderia deixar de ser predomina a cor preta.


Traje de Mordoma

Assim se vestiam as moças nas festas realizadas nas igrejas com a finalidade de apresentá-las a sociedade. Hoje em dia, entre nós, é o que chamamos de festa de debutantes.

Nos pés, os chinelos de verniz, porém agora, bordados somente com linha branca. As meias também brancas.

A saia é de veludo preto, bordada com lantejoulas e miçangas, tendo aproximadamente uma roda de três metros. O avental é de seda e veludo, também pretos, com bordados em lantejoulas e missangas, sendo que do bordado destaca-se o escudo de Portugal.

A blusa é bordada nos punhos e nos ombros. O colete também em veludo é bordado com os mesmos materiais da saia e avental. Na cabeça um lenço de seda branca. Na mão direita segura um arranjo artisticamente confeccionado, denominado PALMITO, que culmina com uma vela. Para segurar este palmito usa-se um lencinho que lhe foi oferecido pelo namorado com alguns dizeres, todo emprestado, e servirá para enganar um possível candidato.

O ouro que ela traz consigo é quase alusivos ao amor.

Diz a lenda que as moças, entrando com o palmito aceso na igreja, teriam o máximo cuidado para evitar correntes de ar de modo que não se apagas-se a vela já que, se isto acontecesse era sinal que a moça não mais estava em condições de se casar.

Mais fotos de Mordoma

Clique para ampliar:


Traje de Noiva










É aquele mesmo traje de Mordoma, só que agora, substitui-se o colete por um casaquinho e o lenço da cabeça é substituído por um véu.

Na mão deixa de usar o palmito e passa a usar o Buquet, que é seguro por um lencinho oferecido pelo namorado que agora vai ser seu marido. Este lenço deve ser guardado com todo o carinho e cuidado, já que lhe servirá para cobrir o rosto no dia de sua morte.

O ouro que ela traz já é todo dela, oferecido que foi pelos parentes e que passa a ser o seu dote. Nas vésperas do dia do casamento, a família se reúne quando cada membro oferece à noiva alguma parte daquele ouro, ao que chamavam Dourar a Noiva.


Traje de Noivo











- Calça preta;

- Colete preto;

- Jaqueta preta com bordados na cor preta feitos a mão ao redor;

- Camisa de linho branco sem bordados com gola padre e pregas;

- Chapéu preto;

- Sapatos pretos no pé.


Traje de Trabalho











É esta a roupa usada pelas moças nos trabalhos do campo. Geralmente, nas ceifas do trigo, centeio, milho, nas vindimas, malhadas e nas grandes arrancadas do linho. Devido ao uso a que se destina, este traje é muito leve. É confeccionado em lã e linho e bordado à mão. A blusa e o colete são lisos não tendo os bordados coloridos que os outros trajes apresentam.

Nos pés, as moças, agora usam sócos, que é uma espécie de bota confeccionada de couro e madeira, também simples para o uso a que se destinam.

O seu principal instrumento de trabalho que aqui aparece é a FOICE que serve para ajudá-la no desempenho de suas atividades.

Sobre a cabeça usam um grande chapéu de palha que serve para abrigá-las dos raios solares.


Traje de Domingar









Confeccionados em saia branca de linho com forro azul ou vermelho.

Avental de fundo azul ou vermelho com desenhos de figuras geométricas em amarelo, vermelho, preto e rosa.

Colete de trespasse com fundo vermelho ou azul e barra de veludo decorado com guarnições de sargarias e debruado com fitas de lã.

Camisa de linho branco bordada a ponto cruz nos ombros e punhos.

Algibeira de fundo vermelho ou azul decorada com sargarias e debruada com fitas de lã.

Lenços de lã na cor azul ou vermelha com ramagens sem franjas.

Calça peúga de algodão e socos pretos sem bordado.

O traje na cor vermelha e para uso em festas, ir a missa ao domingo e namorar, já o traje na cor azul e usado para o luto Aliviado.

Mais fotos do Traje de Domingar

Clique para ampliar:


Traje de Trabalho Homem











-Calça de fraldilha no tear em lã castanha ou de cotim e chambre.

- Camisa de linho com estopa sem bordado.

- Chapéu de palha.

- Calça socos ou chancas conforme o trabalho que for executar.


Traje de Ir a Feira

Muito usado na freguesia de Vila Franca do Lima (Viana do Castelo), este traje de saia em cor natural avergastada com barra preta de lã, avental com desenhos geométricos em cores garridas, colete de trepasse em lã com barra de veludo preto, blusa branca de linho com pouco bordado em ponto cheio, na cabeça lenço com franjas, nos pés peúgas de algodão e socos pretos, saco de mão em crochê, pouco ouro.

Ainda compõe este traje um cesto, que quando vazio, vai apoiado nos quadris e cheio vem a cabeça. O papel econômico e funcional das peúgas é apenas aproveitar a meia, peça inteira, que se rompia na eira, enquanto se dançava o vira, em dias de festas.


Traje de Meia Senhora

Meia senhora ou morgada, por ser a filha mais velha, era herdeira de propriedades ou bens vinculados, que não podiam ser desmembrados ou vendidos, passando sempre dois pais para o filhos(a) mais velho(a).

compõe este traje: casaquinha justa em fazenda preta, podendo ser bordada com vidrilhos, saia rodada em tecido estampado das mais variadas cores, sacola de mão em crochê ou tecido, sombrinha, lenço de seda na cebeça ou nos ombros, meias brancas rendadas, chinelas pretas.

Sempre de sombrinha, quando passeava pelas ruas da cidade, a rapariga queria proteger-se do sol e manter a sua pele clara, sendo esse o sinal de que não trabalhava.

A quantidade do ouro que a rapariga usava demonstrava toda a sua riqueza.




Traje Barcelinhos (Rancho Juvenil)

Saia de lã preta trabalhada em listas finas de diversas cores e barra preta; o avental de fundo claro (verde, azul, amarelo, vermelho, branco, etc, …) também trabalhado em filetes coloridos e barra preta;

O colete preto com barra de veludo preto; blusa de gol grande com rendas, bem como os punhos;

No peito lenço em ramagens de uma cor e o da cabeça em outra; meias brancas, chinelas pretas;

Faixa preta de lã, amarrada nos quadris com lenço de mão. Com sorriso largo, mostra sobre o peito seu dote em ouro.







Traje Folclore Masculino

- camisa de linho branco bordada em vermelho ou azul;

- jaqueta preta com os tradicionais botões em carreira nas mangas e o lencinho branco bordado ganho da namorada ou esposa no bolso;

- calça preta;

- chapéu preto;

- sapatos preto;

- faixa em lã na cor vermelha na cintura.


Traje Afife

Este traje de “festa” era usado pelas lavradeiras da região de Viana do Castelo nas festas e romarias da terra.

composto por saia de lã de fundo vermelho com filetes pretos e brancos, barra azul escuro, algibeira bordad, avental vermelho com listras pretas, dividido ao meio no sentido transversal, blusa branca, pouco bordad em ponto de cruz ou lisa, podendo levar rendas na gola e nos punhos, colete vermelho com barra de veludo preto, na cabeça lenço amarelo vivo franjado e no peito, meio lenço de côr laranja, meias brancas lisas e chinelas pretas sem bordado.








Fotos gentilmente cedidas por: cesarfilme.com